Câncer Bucal mata até 6 mil brasileiros por ano

Câncer Bucal mata até 6 mil brasileiros por ano

Realizar a gestão da saúde pode ser uma tarefa desafiadora para muitos indivíduos, seja devido à falta de recursos financeiros, tempo reduzido ou até mesmo negligência nos cuidados preventivos. Entre as áreas de saúde frequentemente negligenciadas pelos brasileiros, destaca-se a saúde bucal. Essa negligência pode acarretar desde simples cáries até o câncer bucal, uma grave condição que, de acordo com um levantamento recente do Instituto Nacional do Câncer (INCA), afeta mais de 15 mil brasileiros e resulta em mais de 6 mil óbitos ocorridos, principalmente devido ao diagnóstico tardio.

Considerando que o câncer bucal muitas vezes se desenvolve silenciosamente, diversas clínicas odontológicas têm adotado o check-up odontológico preventivo como uma estratégia para auxiliar os pacientes a identificar anomalias precocemente, promovendo uma rotina de cuidados adequados com a saúde bucal. Uma instituição que se destaca nesse contexto é o Centro Odontológico Rio Branco – CORB, liderado pela Dra. Renata Lameira. Segundo a Dra. Renata, muitos casos de problemas bucais podem ser evitados por meio da manutenção regular da saúde bucal, algo que não deve ser negligenciado no dia a dia de ninguém.

Mas, afinal de contas, o que é o câncer bucal? A Dra explica que o câncer de boca pode ser definido como um conjunto de tumores malignos que afetam diversas áreas bucais, como lábio, língua, gengiva, bochecha, assoalho da boca, palato duro, dentre outras. A língua e o lábio inferior são as regiões mais acometidas, e o carcinoma de células escamosas (CCE) é o tipo de tumor mais frequente, correspondendo a cerca de 95% dos casos.

Dra. Renata enfatiza que devido à sua agressividade, o câncer bucal apresenta uma taxa de sobrevivência de apenas 50% ao longo de cerca de 5 anos. Mesmo aqueles que sobrevivem frequentemente enfrentam sequelas graves do tratamento, que podem limitar ou comprometer atividades profissionais, sociais e familiares.

 

Leia mais em:

Correio da Manhã

Eu, Rio!

Deixe um comentário

×